Pavilhão 1 da Penitenciária Estadual de Alcaçuz (Foto: Bethise Cabral)
Por Anderson Barbosa, G1 RN
Armas de fogo e munições foram encontradas enterradas sob o piso do pavilhão 1 de Alcaçuz, maior penitenciária do Rio Grande do Norte. A unidade foi reformada e recebeu reforço na vigilância logo após o massacre que vitimou 26 detentos em janeiro. O confronto, que envolveu facções criminosas rivais, é considerado o episódio mais violento da história do sistema prisional potiguar.
A Secretaria de Justiça e da Cidadania (SEJUC) disse ao G1 que não vai se manifestar sobre o caso, tendo em vista “procedimento em andamento”. Alcaçuz fica em Nísia Floresta, cidade da Grande Natal.
A segurança em Alcaçuz foi reforçada quando a penitenciária ainda estava sob domínio das facções. Atualmente, conta com a presença de aproximadamente 100 agentes penitenciários que fazem parte da chamada Força Tarefa de Intervenção Penitenciária. O grupo foi enviado ao RN pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.
Presos de Alcaçuz se confrontaram em janeiro; pelo menos 26 morreram (Foto: Andressa Anholete/AFP)