Anvisa alerta: crianças menores de 2 anos não devem usar máscaras


Saiba por que máscaras não devem ser usadas por crianças menores de dois anos
Entenda por que crianças menores de dois anos não devem usar máscaras

A Anvisa emitiu suas orientações em relação às máscaras e alertou que crianças menores de 2 anos não devem usar
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) alertou que crianças menores de dois anos não devem usar máscaras. Esta orientação já havia sido divulgada também pela Academia Americana de Pediatra, e agora passa a ser ressaltada pela Anvisa.

Ao divulgar orientações sobre o uso das máscaras não profissionais para a população, a Anvisa ressaltou que as máscaras não devem ser utilizadas por crianças menores de dois anos. A Anvisa ainda explicou que as máscaras também não devem ser utilizadas por pessoas com problemas respiratórios e inconscientes.

As máscaras não são orientadas para crianças menores de dois anos porque estes pequenos correm o risco de sufocar com o acessório. Isto porque estes bebês ainda contam com vias áreas muito pequenas. Ainda há o risco das máscaras causarem o estrangulamento nos bebês. A Anvisa também divulgou quais são as orientações em relação ao uso da máscara para adultos e crianças maiores de dois anos.

Primeiramente, a Anvisa ressalta que o uso das máscaras é orientado em locais públicos, como supermercados, farmácias e no transporte público. As máscaras também precisam ser higienizadas constantemente com água e sabão ou com solução alcóolica 70%. E mesmo com a máscara, ainda é importante manter no mínimo um metro de distância da outra pessoa quando estiver em ambientes públicos.

Além disso, a Anvisa ainda ressalta que a máscara é de uso individual e não devem ser compartilhadas com outras pessoas.

A Anvisa ainda se manifestou sobre o uso de máscaras profissionais. A Agência ressaltou que as máscaras profissionais, como máscaras cirúrgicas e tipo N95 ou equivalente devem ser usadas por pacientes com Covid-19 e profissionais de saúde e outros profissionais na linha de frente em contato próximo e prolongado com possíveis fontes de contágio.