Ator revela motivo de ter deixado o Brasil: ‘Sofri ameaça de mrote por ser gay’

Desde o fim do ano passado em Portugal, local que escolheu para viver com o marido, o ator Leonardo Vieira, 50 anos, revelou em entrevista ao Extra, o motivo de ter deixado a sua terra natal, o Brasil. Segundo o galã, com novelas como “Senhora do Destino” e “Sonho Meu” no currículo, além de optar por uma “melhor qualidade de vida”, no país europeu a “homofobia é bem menor”:

“Vários fatores foram determinantes para minha mudança. Em primeiro lugar, busca de melhor qualidade de vida. Isso inclui viver melhor gastando menos. Em Portugal, a homofobia é bem menor que no Brasil, eu não sofro ameaças de morte por ser eu, como já aconteceu no meu país”.

O ator ressalta que a violência em geral é muito maior no Brasil, onde “se morre por bala perdida todos os dias”, diferente de Portugal, onde se sente seguro para sair, “seja dia ou noite”.

“Aqui, a morte de alguém por violência é notícia por semanas, pois não é como no Brasil, que se morre por bala perdida todos dias. Aqui me sinto seguro de ir e vir, seja dia ou noite. Não ando com medo de ser assaltado e até mesmo assassinado durante um assalto. Não tenho medo da polícia e de sofrer extorsão por ela”, explica.

Sem citar nomes, Leonardo ainda alfineta Jair Bolsonaro (PSL), ao dizer que em Portugal não há “um presidente” que promova “cortes na educação”, nem que “estimula o uso de armas por crianças”, lembrando o episódio em que o capitão posou com um garoto fazer o gesto de um revólver com as mãos. “Aqui em Portugal a extrema direita não tá no poder”, resume.