Bolsonaro nega irregularidade em contrato da Covaxin: Não há superfaturamento, é mentira


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) negou qualquer irregularidade no contrato de compra da vacina Covaxin. Existe a suspeita de que os valores das doses estejam cerca de 1.000% mais caro que o negociado com outros países.

“Pelo que me consta, não há nada de errado no contrato. Não há superfaturamento, é mentira. Vou ouvir Queiroga pra ver qual a opinão dele. Não foi gasto um centavo com a Covaxin, não chegou um ampola aqui”, justificou Bolsonaro quando questionado por jornalistas na manhã desta sexta-feira.

Com depoimento marcado para a tarde desta sexta na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Senado, o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF), e seu irmão, o servidor do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Fernandes Miranda, afirmam que teriam avisado ao presidente sobre as supostas irregularidades. O Palácio do Planalto nega que tenha recebido a denúncia.

Ainda durante a entrevista coletiva, Bolsonaro defendeu o seu governo e voltar a falar que não há corrupção em sua gestão. “O governo só tá dando certo porque não tem corrupção. Tem dois anos e meio sem corrupção no Brasil. Há pouco tempo toda semana tinha dois, três escândalos de corrupção no Brasil”.