in

Deputado André Janones lança candidatura à presidência da Câmara


O deputado André Janones (Avante-MG) lançou oficialmente sua candidatura à presidência da Câmara. Além de Janones, os deputados Arthur Lira (PP-AL), Baleia Rossi (MDB-SP) e Capitão Augusto (PL-SP) lançaram oficialmente suas candidaturas ao comando da Casa.

A eleição para definir o comando da Câmara no biênio 2021/2022 ocorrerá no começo de fevereiro. Na ocasião, também serão escolhidos os demais ocupantes da Mesa Diretora: dois vice-presidentes, quatro secretários e os respectivos suplentes.

O parlamentar afirmou que, se eleito, sua primeira pauta será a prorrogação do auxílio emergencial.

Auxílio emergencial
“Faço um compromisso com essa nação, faço um compromisso com o povo, que se eleito for, presidente da Câmara, no mesmo dia das eleições, horas após ser eleito, está pautada as matérias que visam a prorrogação do auxilio emergencial. O Brasil não está quebrado”, disse Janones.

Andre Janones destacou ainda que sua candidatura é a primeira candidatura à presidência da Câmara com o perfil popular e cobrou que os parlamentares escutem o povo brasileiro.

“É uma candidatura para marcar posição, que vai medir o nível de descolamento do Parlamento com o povo, até quando essa casa continuará de costas para o povo brasileiro?”, cobrou. “O povo é o patrão”, afirmou o deputado.

Janones afirmou ainda que vai pautar todas as matérias de interesse da população, mesmo os projetos aos quais ele é contrário.

Perfil
André Janones é advogado e está em seu primeiro mandato como deputado federal. É vice-líder do partido, já foi titular da Comissão de Seguridade Social e Família e integrou a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou o rompimento da barragem em Brumadinho. É autor de 23 projetos de lei, entre eles o que proíbe o aumento dos preços dos produtos da cesta básica no período da pandemia.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Prefeito de Natal Álvaro Dias volta a atestar eficácia da ivermectina e recomenda uso até a chegada da vacina

Manaus vive colapso com hospitais sem oxigênio, doentes levados a outros estados, cemitérios sem vagas e toque de recolher