A Justiça Federal de Curitiba substituiu a prisão preventiva do ex-deputado federal Eduardo Cunha por prisão domiciliar. A medida foi tomada por causa do coronavírus. O ex-presidente da Câmara tem 61 anos e faz parte do grupo de risco da covid-19, que causa mais morte entre os idosos.

A decisão da juíza Gabriela Hardt, da 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, determina uso de tornozeleira eletrônica.

“Considerando a excepcional situação de pandemia de coronavírus, por se tratar o requerente de pessoa mais vulnerável ao risco de contaminação, considerando sua idade e seu frágil estado de saúde, substituo, por ora, a prisão preventiva”, determinou a juíza.

Transferência

Ex-presidente da Câmara dos Deputados, Cunha foi cassado em setembro de 2016, e no ano seguinte foi condenado pela 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba a 15 anos e quatro meses de prisão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Depois, a pena foi reduzida para 14 anos e seis meses de prisão, por decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). Cunha cumpre pena no Complexo Médico-Penal de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Cunha foi transferido de Curitiba para Bangu, no Rio, em 2019.