in

Em Mossoró, vice-governador destaca necessidade do ramal Apodi/Mossoró


O vice-governador Antenor Roberto, representando a governadora Fátima Bezerra, participou, nesta quinta-feira (3), em Mossoró, da abertura do Fórum de Desenvolvimento do Semiárido 2020 – Oportunidades de Investimentos. Durante o evento, que contou com a presença do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, o vice-governador destacou a importância das medidas de incentivo à produção no semiárido no território do Rio Grande do Norte.

Antenor Roberto ressaltou que o Rio Grande do Norte tem mais de 90% de sua área no semiárido e que o Estado precisa do segundo ramal da transposição de águas do Rio São Francisco, denominado ramal Apodi/Mossoró, que ainda não tem previsão para conclusão. “Temos terras férteis e três grandes reservatórios nesta região. Este Fórum aborda diversas áreas importantes nas quais o Governo do Estado também atua”, afirmou para acrescentar que “a emancipação hídrica beneficiará a todos com produção, trabalho e renda”.

O Fórum busca a ampliação do conhecimento e convergência de propostas de agentes públicos e privados para ações de fomento a investimentos multissetoriais para o desenvolvimento econômico e social do semiárido nordestino. Os debates e propostas tiradas no evento vão subsidiar a formulação do Plano de Desenvolvimento do Semiárido (PDS), visando o aproveitamento das possibilidades econômicas da região e o alcance de metas socioeconômicas, hídricas e ambientais.

Composto de 13 eixos temáticos, o fórum trata sobre o melhor aproveitamento da água, educação, segurança jurídica e fundiária, turismo, meio ambiente, recursos minerais, resíduos sólidos, tecnologia e inovação, transporte e logística, reunindo agentes públicos, empresas e a sociedade.

O Plano de Desenvolvimento do Semiárido será votado pelo Congresso Nacional e sua implementação poderá favorecer um milhão de hectares com alta tecnologia e culturas irrigadas, principalmente na área da fruticultura. A previsão é a geração de R$ 70 bilhões em negócios, R$ 10,5 bilhões em impostos e, pelo menos, três milhões de empregos diretos. Com a possível industrialização da produção, a ocupação de mão de obra pode ser maior.

Nas oficinas presenciais, será elaborado o documento indicando as políticas e projetos prioritários para cada eixo temático, que servirá de base para o Projeto de Lei de Desenvolvimento do Semiárido a ser elaborado Frente Parlamentar Mista em Prol do Semiárido e apreciado e votado pelo Congresso Nacional.

O Fórum ocorre até sábado (5), no Teatro Municipal Dix-huit Rosado e na Ufersa, com transmissão virtual. A realização é do Instituto Sagres – Política e Gestão Estratégica Aplicada e tem apoio de instituições públicas federais e da Frente Parlamentar Mista em Prol do Semiárido, presidida pelo deputado federal pelo RN, General Girão.

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão disse: “trago o incentivo do Governo Federal às populações que vivem no semiárido. Este fórum é o ambiente ideal para discussão de propostas para desenvolvimento econômico e social. Para trazer melhores perspectivas. Nosso semiárido é o mais chuvoso do mundo, mas não temos capacidade de armazenamento. Os biomas caatinga e cerrado têm 45% de área desmatada, o que causa degradação ambiental e pobreza rural. E temos grandes áreas concentradas nas mãos de poucas pessoas”.Mourão também registrou que reduzir os efeitos da seca passa por políticas de redução da concentração de terra e água

Com mais 26 mil pacientes recuperados, Brasil supera marca de 5,7 milhões de curados da covid-19

Parte de falésia volta a desabar na praia de Pipa vc