Falta de UTIs por covid-19 faz Estados escolherem que pacientes internar

Espírito Santo, Pará, Ceará, Amazonas, Pernambuco e Rio de Janeiro tem ocupação acima de 70% em leitos de UTIs devido ao novo coronavírus. Nos últimos 2 Estados, o percentual está acima de 90%. A informação é de reportagem do jornal O Estado de S. Paulo desta 6ª feira (1º.mai.2020).

A situação tem levado Estados a escolherem pacientes. O Conselho de Medicina de Pernambuco adotou uma escala de prioridade para definir qual o perfil de doente terá acesso ao leito de UTI. Eis a íntegra da recomendação, publicada no Diário Oficial da União no dia 28 de abril.

O documento considera a chance de sobrevivência do paciente a curto e longo prazo. Quanto menor a pontuação, maior a indicação para 1 leito de UTI, de acordo com o anexo à resolução:

“Doentes com as pontuações mais baixas devem receber suporte avançado de vida e/ou cuidados intensivos. Os doentes com pontuações muito elevadas devem ser elegíveis para cuidados paliativos associados as medidas curativas disponíveis”.

Uma medida semelhante é estudada no Rio de Janeiro. De acordo com o jornal Extra, um protocolo técnico está em análise para definir os critérios de prioridade e desempate na hora de determinar que pacientes devem ser internados e podem receber respiradores.

Seis órgãos terão condições analisadas e o funcionamento será pontuado de 0 (bom) a 24 (péssimo). Quanto menor a nota, maior a chance do doente terá de conseguir 1 leito.

Oferta de vagas

Pernambuco já criou 348 leitos de UTI para pacientes com covid-19. Segundo o governo Estadual, a média é de 10 novas vagas por dia. No dia 29 de abril, a taxa de ocupação estava em 96%.

Já o Rio de Janeiro criou 287 vagas de UTI para pessoas com suspeita da doença ou diagnóstico confirmado. A Secretaria de Saúde do Estado informou que 94,8% já estão ocupadas. Em todo o sistema, 85% dos leitos de tratamento intensivo têm pacientes.

Ceará e Pará estão com 87% das vagas de UTI ocupadas. No Espírito Santo, a taxa é de 72%. Amazonas afirmou não ter dados para toda rede estadual. Na capital, 89% dos leitos criados para pacientes de covid-19 já estão ocupados.

São Paulo, Estado com o maior número de casos, tem ocupação de 69%, contando com os leitos da rede pública e privada.

Poder360