in

Mãe potiguar luta para conseguir medicação de R$ 12 milhões para seu filho


Apenas 10 meses de idade, mas uma luta pela que já o transformou em um guerreiro. Esse é o pequeno Miguel, que com quatro meses foi diagnosticado com AME (atrofia muscular espinal) tipo 1.

A AME é uma doença genética rara, degenerativa e progressiva. Os pacientes com a doença nascem sem o gene SMN1, responsável pela produção de uma proteína que alimenta os neurônios motores, que enviam os impulsos elétricos do cérebro para os músculos. Sem essa proteína, ocorre a perda progressiva da função muscular e as consequentes atrofia e paralisação dos músculos, afetando a respiração, a deglutição, a fala e a capacidade de andar. Sem tratamento adequado, a AME pode levar à morte antes dos dois anos de idade.

O tratamento mais eficaz é através de uma medicação chamada Zolgensma. Em uma única dose, o remédio fornece ao paciente uma cópia sintética do gene SMN1, fazendo com que o corpo da criança passe a produzir essa proteína. O problema é o alto custo da droga: R$ 12 milhões.

Para conseguir a quantia, a mãe de Miguel, Aline Araújo, que cuida sozinha do pequeno desde quando ele tinha dois meses após o pai de Miguel, Jonas, falecer em um acidente de trânsito, tem feito uma série de campanhas e rifas.

Para ajudar, basta acessar o link: https://linktr.ee/AmeMiguelVarela

Por Grande Ponto

Agricultores investem em produção de feijão verde irrigado no Oeste potiguar:

Itapemirim começa a receber aeronaves para voos comerciais após aval da Anac.