in

Maior operação policial da história do RN conduz 158 para a cadeia



segurança do Rio Grande do Norte deflagraram, entre a manhã da quarta-feira 10 e o fim da tarde desta sexta 12, a operação “Integração 167”. Ao todo, 158 suspeitos de vários crimes, principalmente homicídios, assaltos e tráfico de drogas, foram presos em todo o estado — a maior parte em cumprimento de mandados judiciais. Esta é a maior operação policial já realizada na história da segurança pública potiguar. A operação Integração 167 foi batizada com este nome em alusão aos 167 municípios do estado, de modo a evidenciar a união entre as forças policiais que atuam no estado. Ao todo, participaram da operação 1.323 policiais militares, 908 policiais civis e 115 policiais rodoviários federais, totalizando 2.346 agentes de segurança. As ações fazem parte da “Agenda Segurança Pública 2021. Sistema Único de Segurança Pública fortalecido, cidadão mais seguro!”, e marcaram a visita do ministro da Justiça e da Segurança Pública, André Mendonça, ocorrida nesta sexta 12. O ministro acompanhou parte do trabalho desenvolvido pelas forças de segurança pública estadual na operação, que tem como objetivo fortalecer o trabalho ostensivo e dar cumprimento à mandados de prisão. O ministro desembarcou na Base Aérea de Natal por volta das 8h, sendo recebido pelo titular da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed), coronel Francisco Araújo Silva. De lá, a comitiva visitou a Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, na Grande Natal, onde o secretário da Administração Penitenciária (Seap), Pedro Florêncio, apresentou dados sobre o sistema prisional. Após a visita, a comitiva seguiu para uma barreira policial montada na Av. Capitão-Mor Gouveia, na capital, onde encontrou o secretário adjunto da Sesed, delegado Osmir Monte, e o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Alarico Azevedo. Na sequência, André Mendonça foi ao 9º Batalhão da Polícia Militar e à Divisão de Homicídio e Proteção à Pessoa. Na DHPP, a comitiva foi recebida pela delegada-geral da Polícia Civil, Ana Claudia Saraiva, e pelo delegado-geral adjunto, Ben-Hur de Medeiros, que coordenou a operação Integração 167. Após almoço no Hotel Barreira Roxa, na Via Costeira, toda a comitiva seguiu para a Governadoria, no Centro Administrativo do Estado. Lá, o ministro foi recebido pela governadora Fátima Bezerra (PT), que o acompanhou até a Escola de Governo, onde foi concedida entrevista coletiva à imprensa sobre o V.I.G.I.A (Programa Nacional de Segurança nas Fronteiras e Divisas), e o Plano de Forças-Tarefas SUSP de Combate ao Crime Organizado — ambos programas do Ministério da Justiça e da Segurança Pública que estão em fase de implantação no Rio Grande do Norte e no Ceará. Ainda com a presença da governadora Fátima Bezerra (PT), foi assinado o Acordo de Cooperação, que marca a adesão do Rio Grande do Norte ao Programa V.I.G.I.A. Atualmente, onze estados participam do programa, que conta com três eixos de atuação no combate ao crime organizado: Operação Hórus, Capacitações e Aquisições de Equipamentos e Sistemas. No eixo operações, o V.I.G.I.A. promove a atuação conjunta entre forças de segurança estaduais e federais no combate ao crime organizado. Em todos os estados onde está presente, o programa já apreendeu mais de 770 toneladas de drogas, gerando prejuízo de R$ 2,5 bilhões ao crime organizado. O Rio Grande do Norte também já integra as Forças-Tarefas SUSP de Combate ao Crime Organizado, plano lançado pelo Ministério da Justiça, em janeiro Antes da coletiva, André Mendonça ainda se reuniu, no Gabinete de Gestão Integrada (GGI) da Secretaria da Segurança Pública (SESED), com profissionais e gestores da segurança para debater as realidades locais em busca de soluções conjuntas que atendam às demandas do Estado na área de segurança. PROGRAMAS As forças policiais do Rio Grande do Norte e do Ceará serão incluídas no Programa V.I.G.I.A. (Vigilância, Integração, Governança, Interoperabilidade e Autonomia), do Ministério da Justiça, com o objetivo de aumentar as fiscalizações e a repressão ao crime organizado, contrabando, e o fluxo de armas e munições, principalmente na divisa entre os dois estados. O programa também deve buscar coibir possíveis crimes por meio de rotas marítimas. Por enquanto, os dois estados serão os únicos da região nordeste a terem o programa implantado. Os mecanismos para implantação do programa foram apresentados ao RN no dia 14 de janeiro pelo secretário de Operações Integradas do Ministério da Justiça, Jeferson Lisbôa Gimenes, durante uma reunião na Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social do Rio Grande do Norte (Sesed). O programa V.I.G.I.A. integra o policiamento federal e estadual, com padronização de técnicas, táticas e procedimentos. Também são abertas possibilidades de investimento em capacitações e equipamentos, ações com o intuito de direcionar esforços e contribuir com a formulação de estratégias operacionais. O Programa Nacional de Segurança nas Fronteiras e Divisas deu R$ 2 bilhões de prejuízo aos criminosos em 2020, segundo o Ministério da Justiça. O Plano de Forças-Tarefas SUSP de Combate ao Crime Organizado tem como objetivo reduzir os indicadores de crimes praticados por membros de organizações criminosas, como homicídio, latrocínio, tráfico de drogas, roubos a bancos, cargas e veículos. Os primeiros estados a aderirem ao plano foram o Rio Grande do Norte e o Ceará, ambos de forma voluntária. As forças-tarefas terão como linha de atuação a busca pelo isolamento de líderes de organizações criminosas no sistema prisional, a prevenção e a repressão da criminalidade violenta praticada por esses grupos, a descapitalização das facções, com foco no bloqueio de bens e valores, além da venda antecipada desses bens. Pelo plano, o Ministério da Justiça e Segurança Pública vai disponibilizar local apropriado para funcionar como base da Força-Tarefa, além de equipamentos de gestão de dados e informações. INVESTIMENTOS A visita do ministro também marca o repasse, pelo Governo Federal, de R$ 26,7 milhões para o Rio Grande do Norte investir em aquisições de equipamentos, viaturas e capacitações dos profissionais. Os recursos são do Fundo Nacional de Segurança Pública. Além disso, mais de 1.000 profissionais de segurança pública do Rio Grande do Norte foram capacitados por meio de cursos oferecidos pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública. Destes, R$ 12 milhões vão para aplicação imediata para compra de armamentos, equipamentos e viaturas; R$ 14,7 milhões serão destinados para a construção da nova sede do Instituto Técnico-Científico do Rio Grande do Norte (Itep-RN).

Agora RN

Forte tremor atinge costa leste do Japão e causa blecautes

Morre de Covid-19 médico que recebeu dose da vacina contra o coronavírus em João Pessoa (PB)