Pois é, é cada notícia que a gente vê, não é verdade?
Mas, o que houve dessa vez?
Então, Wanderley dos Santos Silva tem 52 anos e atuava como maqueiro do Instituto Médico Legal.
Porém, ele acabou sendo flagrado mantendo relações íntimas com o cadáver de moça que estava aguardando o exame de necropsia.
Com isso, Wanderley depois do crime foi exonerado. O caso aconteceu em Manaus.
A situação foi flagrada por um perito criminal que estava no dia fazendo plantão.
Dessa forma, quando o perito foi até à sala de necropsia com o intuito de coletar dados sobre determinado cadáver acabou vendo o maqueiro em cima do cadáver de uma moça.
Com isso, na hora que Wanderley viu o perito, ele pulou rapidamente e saiu desconfiado.

Dessa forma, o caso foi levado à direção do Departamento de Polícia Técnica e Científica e assim, o diretor Lin Hung esteve no local e acabou exonerando também um outro funcionário que estava no local alcoolizado durante o horário de trabalho.

Conforme informações dos servidores, no próprio dia do crime, os funcionários exonerados haviam saído para festejar e voltaram bêbados.

De acordo com o estabelecido no art. 202 do Código Penal Brasileiro, ter relações sexuais com cadáver configura crime de vilipêndio de cadáver, com pena de um a três anos de prisão.

Um inquérito policial foi instaurado para verificar o tempo em que essa ação criminosa acontecia.