MC Maylon, que acusa vocalista do Molejo de estupro, diz que tentou se matar duas vezes após o ocorrido



O cantor e dançarino Maycon Douglas Pinto de Nascimento Adão, o MC Maylon, de 21 anos — que denunciou nesta quarta-feira (3) à polícia ter sido estuprado pelo vocalista do grupo de pagode Molejo, Anderson Leonardo, de 48, que em nota divulgada à imprensa negou o crime — conversou com Quem nesta quinta-feira (4), antes de ir novamente à 33ª Delegacia de Polícia (Realengo) para levar as provas que diz ter do abuso. “Vou levar o sabonete do hotel e a cueca suja com sangue e esperma dele. Também vou fazer exame de corpo de delito hoje”, conta.

MC Maylon, que tem uma tatuagem no antebraço com o rosto de Anderson, contou que foi levado pelo vocalista do Molejo a um hotel no dia 10 de dezembro do ano passado contra a sua vontade. Ele teria sido atraído ao local para uma reunião, uma vez que o vocalista do Molejo era seu empresário. “Está muito doloroso mesmo, não esperava ele ter feito isso, era um homem que eu chamava de pai, tatuei o rosto dele no meu braço. E ele fez esse ato de vandalismo”, lamenta o rapaz.

MC Maylon afirma que era virgem e teve as roupas arrancadas por Anderson mesmo quando tentou se defender. “Fiquei muito surpreso porque quando chegou no hotel, ele desligou meu telefone. E me enganou. Eu tinha o sonho de estourar. Sou cantor e dançarino. Ele me jogou na cama, tirou minha roupa, me chamou de viado (sic). Poderia ter agredido ele, mas como fazer isso com um cara que eu amava e considerava meu pai? Me travei na hora e tomei um choque. Ele me bateu muito, deu tapas na cara, empurrões. Foram trinta minutos tentando me penetrar e começou a sair sangue. Ele falava: ‘pode gritar'”, recorda ele, acrescentando que teve um sangramento depois do ato ser consumado e chegou a desmaiar.

SAIBA MAIS

Ex-mulher de Armie Hammer fala sobre denúncia de estupro e canibalismo contra ator

Ex-namoradas de Nego do Borel prestam depoimento contra cantor

MC Maylon conta que, desde o dia do crime, deixou de usar maquiagem por causa do trauma sofrido. “Me calei, comecei a entrar em depressão e minha mãe viu que meu comportamento tinha mudado. Sou gay e fiz um trato com minha mãe e Deus que só queria me doar para alguém que me amasse de verdade. Eu era virgem e o Anderson destruiu o sonho da minha carreira e da minha dignidade. Não sou maluco de acusar não tendo prova”, diz ele, alegando que vem recebendo mensagens anônimas e ameaças dos amigos do vocalista do Molejo. “Os amigos dele estão me ameçando muito, mandando mensagens, dizendo que quero me promover. Só quero mostrar meu caráter e minha dignidade. Não quero dinheiro. Minha virgindade não vai voltar para o lugar”.

MC Maylon lembra que conheceu Anderson há cinco meses. “Ia na resenha do futebol dele em Jacarepaguá. Comecei a frequentar e um amigo meu, que tem idade, me apresentou ao Anderson e falou: ‘dá uma chance para ele, ele é cantor’. Ele então virou o meu padrinho no mundo artístico, disse para mim que ‘só faltava um tapa no bumbum’. Fui pegando confiança nele e ele em mim, a gente era muito amigo”, recorda.

O jovem diz estar devastado emocionamente após o ocorrido. “Tinha o sonho de me casar virgem. Estou indo até para o proctologista para comprovar o estupro. Não acreditam que eu era virgem. Não denunciei antes porque sabia com quem o Anderson andava e porque queria cuidar da minha saúde. Ele fez tudo sem camisinha, então fiz exames de HIV e HPV. Tentei me matar duas vezes. Ele me estuprou e me abandonou de madrugada na rua”, conta ele, lembrando que Anderson sempre fazia tudo “no sigilo”. “Hoje percebo que ele me olhava um pouco diferente, mas eu pensava que fosse amor de pai. Não via uma conotação sexual. Eu tenho fotos com ele que nem postei nas redes. Parecia que ele tinha vergonha de mim”.

Por meio de um comunicado divulgado nesta terça-feira (2), a defesa de Anderson Leonardo se manifestou sobre o caso, que foi publicado em primeira mão pelo colunista Alessandro Lo-Bianco nesta quarta-feira (3): “O cantor foi surpreendido, assim como todos, com o que foi veiculado na imprensa na data de hoje, não tendo qualquer conhecimento acerca do publicado em redes sociais ou mesmo em sede policial, vez que não foi intimado para prestar quaisquer informações, pelo que não teve nem mesmo ciência do que consta do registro de ocorrência”.

Leia a íntegra do comunicado abaixo:

“O cantor Anderson Leonardo, em face das recentes matérias veiculadas envolvendo o seu bom nome artístico, acerca de suposto estupro, vem esclarecer aos seus inúmeros fãs, contratantes e amigos o seguinte: o cantor foi surpreendido, assim como todos, com o que foi veiculado na imprensa na data de hoje, não tendo qualquer conhecimento acerca do publicado em redes sociais ou mesmo em sede policial, vez que não foi intimado para prestar quaisquer informações, pelo que, não teve nem mesmo ciência do que consta do registro de ocorrência.Esclarece ainda que lamenta profundamente as declarações envolvendo seu nome, refutando qualquer ato de violência contra quem quer que seja, negando categoricamente à acusação completamente falsa de agressão sexual feita em seu desfavor.

Ressalta, outrossim, que em mais de 30 anos de vida pública, jamais tivera seu nome ligado a qualquer ato criminoso ou que viesse a desabonar ou macular a sua imagem e carreira, seja de sua vida profissional ou pessoal. Informa também que conhece a suposta vítima, mas jamais praticou os atos veiculados na imprensa, inclusive, tem conhecimento que a suposta vítima já esteve presente em diversas apresentações artísticas do cantor, em ocasiões posteriores à falaciosa alegação, o que demonstra, claramente, que a narrativa publicada nunca ocorreu. Assim, o cantor esclarece, por meio de sua assessoria, que os fatos publicados não são verdadeiros.

Por fim, nega as infames acusações que lhes são imputadas, as quais foram recebidas com grande surpresa, reforçando sua inocência, a qual tem certeza que será demonstrada e comprovada no curso do inquérito policial. Ademais, sempre pautou sua vida profissional, pública e pessoal pela ética, caráter, respeito e retidão, sendo inimaginável ser acusado de algo dessa natureza