Morre aos 85 anos Cantor paraibano João Gonçalves considerado o rei das músicas duplo sentido dentre elas um de seus grandes sucessos Sevirina xique xique


O cantor e compositor João Gonçalves natural de Campina Grande, Paraiba, 85 anos, nos deixa faltando três dias para o São João. João sofreu um infarto na madrugada desta segunda feira (21).

Um de seus sucessos foi Severina Xique-Xique, gravado na voz de Genival Lacerda. Outros artistas também já gravaram algumas de suas músicas, dentre eles estão Dominguinhos, Zeca Baleiro e Elba Ramalho, entre outros.

João Gonçalves, além do humor e do duplo sentido, é autor de canções em outros estilos. Espécie de hino não oficial de Campina Grande, a bela canção “Campina de outrora” é de sua autoria. É dele também “Lugar ao sol”, gravada por Dominguinhos.

Considerado o “rei do duplo sentido”, João Gonçalves teve um LP quebrado, na década de 1970, pelo apresentador de televisão, Flávio Cavalcante. O fato, ocorrido em plena ditadura, não só trouxe fama como o colocou sob os olhares dos militares. Em João Pessoa, Paraíba ao cantar na Festa das Neves, teve de se apresentar à Polícia Federal e a sua canção, “Pescaria em Boqueirão”, foi proibida.

Em 2017, a reportagem da REDEGN destacaou texto de Astier Basilio para a Universidade Estadual da Bahia, sobre a vida e obra de João Gonçalves.

Confira:
Na parede ele guarda recordações e alimenta a alma para o futuro. Aos 81 anos, sendo 48 deles de carreira, João Gonçalves, mora em Campina Grande, Paraíba, é autor de clássicos da música brasileira, a exemplo de “Severina Xique Xique”, Firm Fim do Fole, Mariá, “Mate o véio”, “Galeguin dos zói azul”, sucessos na voz de Genival Lacerda. João é considerado o “rei do duplo sentido”.

Teve o talento reconhecido quando Luiz Gonzaga pediu (olha o pedido do Rei do Baião), que João fizesse umas músicas “limpinhas”-sem duplo sentido, com ritmo, melodia e harmonia, que ele gravava. João conta que fez porém já doente Luiz Gonzaga não gravou. “O destino então quiz que Dominguinhos gravasse. Dominguinhos gravou Um Lugar ao Sol. Tem reconhecimento maior. Sanfona e voz de Dominguinhos”, ressalta João Gonçalves

Antes do reconhecimento João teve seu LP quebrado, na década de 1970, pelo apresentador de televisão, Flávio Cavalcante. O fato, ocorrido em plena ditadura, não só trouxe fama como o colocou sob os olhares dos militares. Em João Pessoa, ao cantar na Festa das Neves, teve de se apresentar à Polícia Federal e a sua canção, “Pescaria em Boqueirão”, foi proibida.

É de autoria de João Gonçalves, o hino não oficial de Campina Grande, a canção “Campina de outrora”. Uma vida artística a caminho dos 50 anos, doze discos de vinil, quatro CD’s, DVD e mais de mil músicas gravadas sintetizam a trajetória do compositor e cantor, João Gonçalves.

A vida artística começou em 1970, quando Joacir Batista, Messias Holanda, Genival Lacerda e Trio Nordestino despertaram para o grande talento do compositor. Nesta época, um dos grandes sucessos de Genival Lacerda – “Severina xique-xique”, letra de João Gonçalves, fez sucesso em todo o país, enfatizando a sua característica do duplo sentido.

João contou que teve a generosidade de ter na maioria dos seus discos a sanfona de Dominguinhos.

João Gonçalves continua sendo uma lenda entre os forrozeiros e, pela temática de suas composições, constantemente procurado pelos empresários das bandas: “Do jeito que eles querem eu não faço não. Eles gravam as antigas. Catuaba com Amendoim gravou Mariá, Severina Xique-Xique. Tem até uma música que eu fiz para Tom Oliveira que a Aviões do Forró gravou, Locadora de mulher, mas não é de letra pesada, é só engraçada (cantarola o refrão): ’Eu descobri uma locadora de mulher/ Lá tem mulher do tipo que o homem quiser’”.

João Gonçalves – Nasceu em 29 de Maio de 1936 em Campina Grande – Paraíba. Desde de criança cantava e inventava parodias. Gostava de cantar qualquer estilo e ritmo. Devido problemas de saúde, conta com “lágrimas nos olhos” das boas recordações de encontrar os amigos nas mesas de bar e tomar umas e outras, aquela cachacinha com caju…

“Sinto saudades. Isto já é um bom motivo prá fazer música”, diz João Gonçalves.

Redação redeGN