in

Paulo Guedes é mais bem avaliado que Maia e Alcolumbre


Pesquisa PoderData realizada de 7 a 9 de dezembro de 2020 mostra que o ministro Paulo Guedes (Economia) é mais bem avaliado do que os presidentes Rodrigo Maia (Câmara) e Davi Alcolumbre (Senado). A rejeição do economista também é a menor entre os 3.

Dos que conhecem Guedes, seja “bem” ou “apenas de ouvir falar”, 33% o avaliaram como “ótimo” ou “bom”. Já Maia tem 21% de avaliação positiva, e Alcolumbre fica na dianteira, com 12%.

O mais rejeitado entre eles é o presidente do Senado, que tem 37% de “ruim” ou “péssimo“. Rodrigo Maia aparece com 32%, e o ministro da Economia, 23%.

O PoderData mediu as avaliações das autoridades no fim de setembro. De lá até aqui, pouca coisa mudou nas taxas. O presidente do Senado perdeu 5 pontos percentuais dos que o achavam “regular“, e ganhou a mesma porcentagem de “ruim” e “péssimo“.

Já Guedes e Maia tiveram leves variações positivas, mas todas dentro da margem de erro do estudo.

Os dados foram coletados de 7 a 9 de dezembro, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 505 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Antes de perguntar a avaliação das autoridades, o levantamento mediu o nível de conhecimento dos 3, se 1) conhecem bem; 2) conhecem apenas de ouvir falar; 3) não conhecem.

Os dados mostram que o presidente da Câmara e o ministro da Economia são amplamente conhecidos pelos brasileiros (mais de 90% da população). Alcolumbre fica por último: 81% dizem saber quem é o chefe do Legislativo.

Leia os percentuais:

Rodrigo Maia: 95% conhecem (45% “bem” e 50% de “ouvir falar”);

Paulo Guedes: 91% conhecem (50% “bem” e 41% de “ouvir falar”);

Davi Alcolumbre: 81% conhecem (31% “bem” e 50% de “ouvir falar”).

O PoderData só faz a pergunta sobre a avaliação do trabalho de cada personalidade a quem diz conhecer o alvo do questionamento.

Poder 360

Deputado paraibano é reinfectado com Covid-19

Mesmo sem reagir, engenheiro civil é morto durante assalto em Ponta Negra