O Flamengo publicou uma nota oficial (leia abaixo) se posicionando contra os comentários do apresentador Fausto Silva, o Faustão, no último domingo (9), na atração da Globo. Na ocasião, Fausto classificou a postura da diretoria rubro-negra como “indecente” no imbróglio entre o clube e as famílias dos meninos mortos em 2019 durante o incêndio do Ninho do Urubu.

“É inadmissível, indecente o comportamento dos diretores do Flamengo no caso. O problema não é dinheiro”, comentou Faustão.

Em nota, o clube afirmou que o apresentador da Rede Globo acusou o Flamengo “de forma leviana e inconsequente as diretorias, tanto passada e atual”.

“Na noite do último domingo (9/02), durante o programa Domingão do Faustão, da Rede Globo de Televisão, o apresentador Fausto Silva acusou, de forma leviana e inconsequente, as diretorias (passada e atual) do Clube de Regatas do Flamengo de agirem de forma desrespeitosa nas negociações com as famílias das vítimas do incêndio no Ninho do Urubu”, afirmou.

A nota também levanta uma questão sobre uma possível retaliação pela “guerra” entre o clube e a emissora por conta do desacordo entre os direitos televisivos.

“Todos estes pontos poderiam ser facilmente levantados pela equipe de produção da Rede Globo de Televisão antes das acusações. Como isto não foi feito, infelizmente nos leva a crer que tamanha agressividade tem como pano de fundo interesses comerciais não atendidos e que se sobrepõem ao trabalho de informar corretamente aos telespectadores”, finalizou.

Confira a nota na íntegra:
Na noite do último domingo (9/02), durante o programa Domingão do Faustão, da Rede Globo de Televisão, o apresentador Fausto Silva acusou, de forma leviana e inconsequente, as diretorias (passada e atual) do Clube de Regatas do Flamengo de agirem de forma desrespeitosa nas negociações com as famílias das vítimas do incêndio no Ninho do Urubu.

Mostrando seu total desconhecimento sobre o caso, o apresentador da Rede Globo, sob a desculpa de apoiar uma possível manifestação de torcedores – hoje cancelada – destilou uma série de acusações infundadas que, além de atacar a honra dos dirigentes, acabaram também por atingir a imagem da instituição Flamengo.

O apresentador Fausto Silva desconhece, ou preferiu omitir, todo o trabalho que o Flamengo tem feito para minimizar os efeitos desta que foi a maior tragédia do Clube em seus 124 anos de existência:

– Não falou que 19 famílias e meia, das 26 atingidas pela tragédia, já entraram em acordo no que diz respeito às indenizações.

– Que o Flamengo, desde o primeiro momento da tragédia, trouxe familiares de todas as vítimas para o Rio de Janeiro e os hospedou em um hotel para que pudessem acompanhar de perto as apurações das autoridades competentes. O mesmo aconteceu com as famílias residentes no Rio de Janeiro.

– Que, por iniciativa própria, o Clube pagava, desde fevereiro de 2019, uma ajuda de custo mensal no valor de R$ 5 mil, ou seja, seis vezes maior do que a média que os atletas recebiam. Desde o fim do ano passado o valor pago pelo clube passou para R$ 10 mil.

– Que, desde o primeiro momento, o Flamengo disponibiliza assistência médica, pedagógica, psicológica e social para as vítimas e seus familiares.

– Que o Flamengo ofereceu a todas as famílias um valor muitas vezes superior ao que a Justiça brasileira costuma determinar em casos como este.

– Que o Clube mantém sim contato com as famílias, inclusive por meio dos advogados constituídos por elas próprias para representá-las.

Todos estes pontos poderiam ser facilmente levantados pela equipe de produção da Rede Globo de Televisão antes das acusações. Como isto não foi feito, infelizmente nos leva a crer que tamanha agressividade tem como pano de fundo interesses comerciais não atendidos e que se sobrepõem ao trabalho de informar corretamente aos telespectadores.

Isto, ao nosso ver, constitui abuso de direito e tentativa de indução negativa da opinião pública, algo inadmissível do ponto de vista moral e ético.

Por fim, o Flamengo reitera que sempre esteve – e continua – à inteira disposição das famílias para o diálogo e assim seguirá até que todas sejam indenizadas de forma justa.