Prefeito Taveira participa de Jogo inaugural da Arena do Dragão em Parnamirim.


Por José Vanilson Julião

Acompanhei ao vivo o jogo inaugural numa rede social. No Youtube o placar demonstrativo acima, a esquerda do vídeo, “1998 – 2006”, alusões ao título da Copa do Nordeste e ao acesso para a Série A pelo quarto lugar na Série B.

No autêntico tapete verde do estádio José Vasconcelos da Rocha – ex-presidente e presidente do Conselho Deliberativo do clube – imperou o vermelho (1998) e branco (2006). As cores dos times amigos do José Ivanaldo de Souza x Carlos Moura Dourado.

Não importa se no inaugurado equipamento esportivo o torcedor americano não “entupiu” a arquibancada. Nem o placar da partida festiva.

O essencial foi a homenagem com o desfile de craques que não perderam o rebolado, a ginga e a técnica. Como vislumbrou o repórter no “testemunho ocular”.

Peguei o bonde andando, perto dos cinco minutos do primeiro tempo, quando o placar estava aberto em favor do Branco, gol de Oliveira, macauense, atacante, ídolo nos anos 90.

TIME DOS AMIGOS DE MOURA DUELOU COM OS AMIGOS DE SOUZA. FOTO: DIVULGAÇÃO
Goeber, que atuou em 2006, faz o segundo, e aos 20 o Valber desconta. Naldo, atacante do time doméstico do vice-campeonato da Série C (96), amplia.

Quando o árbitro Leonardo Bruno apita o final da primeira etapa o redator relembra a passagem dos craques ano a ano. Dos 80: Medeiros, Baíca, o zagueiro Saraiva, também campeão pelo Alecrim.

O leitor que me perdoe, cheguei “atrasado” no campo virtual. Não peguei a escalação completa dos rubros e dos alvos.

Porém captei nomes famosos, de antigos e atuais, pela cobertura do trio de repórteres da TV Mecão (Canindé, Paulo e Raissa):

Gito, Max, os goleiros Fabiano “paredão”, César e Sérvulo, Robson, Júlio Terceiro, Carlos Mota, Carioca, Leandro Sena, Rogerinho, Bernardes, Elmo Casquinha, Severinho, Montanha, Joelan, Helinho, Tiê e Zé Ivaldo.

Na etapa completar, no começo, Gito anota para o time de Moura e diminui a diferença. Não usou o canhão da perna, mas a cocuruta.

Todo mundo queria jogar. Foi um entra e sai. Volta e sai… Até os filhos de Souza (Yago) e Moura (Guilherme) correram atrás (ou à frente?) da bola nos 15 minutos finais