in

PRESO AOS 15 ANOS HOMEM DEIXA A PRISÃO AOS 83 ANOS



Após quase sete décadas atrás grades, Joe Ligon foi libertado de uma prisão da Pensilvânia, aos 83 anos. Ele é considerado o condenado juvenil à prisão perpétua que passou mais tempo encarcerado nos EUA.

Ligon foi encarcerado em fevereiro de 1953 aos 15 anos de idade, recebendo uma sentença de prisão perpétua após se declarar culpado de acusações decorrentes de uma onda de roubos e esfaqueamentos na Filadélfia, ao lado de quatro outros meninos adolescentes.

Os crimes deixaram seis feridos e duas pessoas – identificadas pelo Philadelphia Inquirer como Charles Pitts e Jackson Hamm – mortas.

Apesar de uma audiência ter considerado Ligon culpado de duas acusações de assassinato de primeiro grau, e o próprio admitir ter esfaqueado pelo menos uma das oito pessoas atacadas à faca pela gangue em um dia, seu advogado Bradley Bridge disse à CNN que seu cliente afirma que não matou nenhum deles.

Leia mais
Homem inocente é libertado após 26 anos preso nos Estados Unidos
Após 23 anos na prisão por crime que diz não ter cometido, mulher recebe diploma
Aos 34 anos, homem condenado à prisão perpétua é solto nos EUA

“A criança que cometeu esses crimes em 1953 não existe mais. A pessoa que saiu da prisão em 2021 tem 83 anos, cresceu, mudou e não é mais uma ameaça”, disse Bridge. “Ele retribuiu amplamente à sociedade pelos danos e prejuízos que causou. E agora, é apropriado que ele passe os últimos anos de sua vida em liberdade.”

“Sou um adulto agora”, disse Ligon à CNN. “Não sou mais uma criança. Não sou apenas um homem adulto, sou um homem velho e envelheço a cada dia.”

Ao longo dos sete décadas, Ligon teve diversas oportunidades de deixar a prisão.

Na década de 1970, ele e seus comparsas receberam a opção de clemência do governador da Pensilvânia. Enquanto dois dos homens optaram por aceitar a oferta – que significava estar em liberdade condicional – Ligon a rejeitou.

Rejeitando liberdade condicional
Ele recusou outra oferta de liberdade condicional em 2017, depois que uma decisão da Suprema Corte dos EUA o tornou elegível.

Um ano antes, em 2016, o tribunal decidiu que deveria ser aplicada retroativamente a jurisprudência do caso “Miller vs. Alabama”, de 2012, segundo o qual sentenças de prisão perpétua juvenis obrigatórias sem a perspectiva de liberdade condicional eram consideradas ilegais.

A decisão tornou Ligon elegível para liberdade condicional, após mais de 60 anos na prisão àquela altura.

Mas o prisioneiro rejeitou a oferta novamente, afirmando que a liberdade condicional não lhe daria a liberdade que ele desejava após décadas na cadeia.

“O conselho estadual de liberdade condicional presumivelmente o teria libertado, mas com a condição de que ele ficasse sob sua supervisão pelo resto de sua vida”, disse Bridge. “Ele optou por não buscar liberdade condicional sob esses termos.”

Bridge, que representa Ligon há 15 anos, acabou argumentando que uma sentença de prisão perpétua por um crime que Ligon cometeu quando jovem era inconstitucional. Depois de uma audiência fracassada no tribunal intermediário de apelação da Pensilvânia, o advogado conseguiu levar o caso ao tribunal federal e venceu a questão em novembro de 2020, que finalmente concedeu a Ligon a liberdade sob seus próprios termos em 2021.

Agora que Ligon saiu da prisão, seu trabalho de reentrada na sociedade começou.

John Pace, um ex-presidiário e atual coordenador de reentrada do Projeto de Sentenciamento e Reentrada Juvenil (YSRP) da Filadélfia, disse que está trabalhando com Ligon para ajudá-lo a se levantar.

Pace tinha apenas 17 anos quando ele próprio foi preso por assalto e agressão a um homem. Ele passou os 31 anos seguintes preso. Depois de ser liberado, Pace afirmou ter sentido uma espécie de enjoo depois de ser repentinamente exposto à sua nova realidade.

Entrando em um novo mundo

“Você está em um ambiente de prisão onde não há muitos estímulos. Você não tem permissão para ter contato com as pessoas. Suas interações são muito limitadas. E, portanto, não há muitos estímulos”, disse Pace. “Então, agora você sai da prisão e imagine tudo isso, você pode fazer o que quiser agora. E o que você faz com isso?”

Bridge, Pace e vários outros têm trabalhado com Ligon para resistir ao choque de entrar em um novo mundo.

Isso incluiu encontrar um alojamento para que o idoso tenha cuidados domiciliares, onde viverá com uma família da Filadélfia que desempenhou um papel importante no processo de retorno à sociedade.

“Sempre haverá pessoas que pensam que Joe deveria ficar na prisão pelo resto de sua vida”, disse Pace. “Joe tem controle sobre como demonstra quem ele é hoje, e ele espera que isso seja o suficiente para ajudar outras pessoas a perceberem como ele está tentando ajudar outras pessoas a usar o bom senso.”

Ligon disse que queria que outros aprendessem com sua experiência.

“Estou realmente ansioso para agradar as pessoas e ajudá-las da maneira como estão me ajudando”, disse Ligon, acrescentando, “conhecendo alguns da geração mais jovem, alguns da geração mais velha e alguns dos repórteres para compartilhar um pouco da minha história. ”

Questionado sobre como é estar de volta ao mundo um dia e meio após sua libertação, Ligon disse o seguinte:

“Lindo”, disse ele. “Bonito.”

Parnamirim:Prefeitura inicia vacinação de idosos acamados residentes em condomínios

Vivaldo Costa sugere ao Governo do RN medidas para fortalecer a Agricultura Familiar