ROBERTO JEFFERSON COMPARA ALEXANDRE DE MORAES A SACO DE EXCREMENTO: “SER ABOMINÁVEL”


O ex-deputado Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB – Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Em carta escrita de dentro do hospital, o presidente do PTB, Roberto Jefferson, criticou sua prisão, dizendo que é fruto de “atitude arbitrária e autocrática” do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes. Chamou o magistrado de “Xandão” e de “abominável”, e o comparou a um “saco de excremento”.

“Saco de matéria sólida e fétida a ser excretada pelo organismo humano. Serão excretados”, escreveu no sábado (25.set.2021). A vice-presidente do PTB, Graciela Nienov, compartilhou o documento em seu perfil no Twitter.

O ex-deputado deu entrada no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, no começo do mês para tratar uma pielonefrite aguda bilateral. Na 2ª feira (27.set) fará exames e, no dia seguinte, passará por um cateterismo.

Jefferson foi preso em agosto no inquérito que apura suposta milícia digital que atua contra a democracia. Deixou o presídio de Bangu 8, onde estava detido, depois de autorização de Alexandre de Moraes. O ministro permitiu que o ex-deputado fosse ao hospital para fazer exames usando uma tornozeleira, mas estaria proibido de dar entrevistas ou falar com outros investigados no inquérito.

Na carta, Jefferson diz haver uma “rebelião doméstica” dentro do PTB, que tenta desestabilizar Graciela Nienov. “Saibam: Brigou com a Graci brigou comigo”, afirmou.

“Vejo numa rebelião doméstica pelo poder dentro do PTB. Há um pequeno grupo, que identifico, vozes mexicanas, paulistanas e alagoanas, tentando desestabilizar a Graci visando o meu lugar. Esquece o grupo de combinar “o jogo com os russos”. Aquela cadeira histórica é maior que a ambição do trio”.

Leia a íntegra da carta de Roberto Jefferson:

Reflexão de um preso político.

Samaritano, 25 de setembro de 2021

Estou confinado à prisão decretada e à prisão adquirida.

Uma é fruto de atitude arbitrária e autocrática de um ser abominável, O Xandão. A outra é consequência do império das bactérias anaeróbicas que povoam nossas vísceras. Em comum entre as duas prisões são os mandantes; os mandantes originam, simbolicamente, do mesmo lugar um saco de excremento; saco de matéria sólida e fétida a ser excretada pelo organismo humano. Serão excretados.

Vejo numa rebelião doméstica pelo poder dentro do PTB. Há um pequeno grupo, que identifico, vozes mexicanas, paulistanas e alagoanas, tentando desestabilizar a Graci visando o meu lugar. Esquece o grupo de combinar “o jogo com os russos”. Aquela cadeira histórica é maior que a ambição do trio.

Do Samaritano tenho observado a movimentação. Ainda não será dessa vez que eu vou partir. Antes de encerrar a jornada limparei o partido dessas infestações. Tenham certeza. Política não é dinastia. Política não é coronelismo. Política não é esperteza.

Nossa legenda servirá o povo. Servirá pelo poder do amor. Não servirá pelo amor ao poder.

Preparei a Graciela Nievov desde de sua meninice para me substituir.

Ela galgou desde a base, nos movimentos, jovens e da mulher as posições da hierarquia partidária. Ela é cristã, honrada, correta, leal e comprometida com o nosso ideário. Ela está pronta para maiores desafios.

Saibam: Brigou com a Graci brigou comigo.

Enquanto eu estiver preso, desejo constituir uma comissão de veteranos, conselho consultivo, para protegê-la, com poderes para dissolver provisórias e expulsar murmuradores de nossa Graci: Gean Prates, Rodrigo Valadares, Marisa Lobo, Paulo Bengtson, Jefferson Alves, Mical Damasceno e Marcus Vinícius.

Aos leões e leoas petebistas informo que estou bem. Farei exames de imagem na segunda-feira. Terça-feira farei o cateterismo e quarta encerrarei o tratamento com antibióticos. Estou bem, agradecido aos meus irmãos a força que fizeram para que eu vir para o hospital.

Não há glória sem sofrimento.

É próxima a vitória.

Persistência, perseverança, insistência, teimosia. Vencemos pela obstinação.

O Senhor nos inspira e conduz.

Nossa Força e Vitoria é Jesus.

Roberto Jefferson

Poder360