in , , ,

Robôs vão para a linha de frente da luta contra o coronavírus

Uma doença extremamente infecciosa, que provocou o colapso de sistemas de saúde e matou mais de cem mil pessoas em poucos meses é o cenário perfeito para a aplicação de robôs. Eles são imunes ao contágio e podem trabalhar ininterruptamente, reduzindo a exposição de profissionais de saúde aos riscos.

Com a pandemia do novo coronavírus, máquinas inteligentes ganharam espaço na linha de frente do tratamento da Covid-19, mas, segundo especialistas, não em número suficiente para, sozinhos, vencer esta guerra.

— Talvez não para esta pandemia, mas para futuras estaremos preparados. Nós estamos em uma emergência, então só podemos usar o que temos disponível. E existe um número limitado de robôs, porque não os desenvolvemos para combater esta pandemia, que já era previsível — lamenta Paolo Dario, pesquisador da Sant’Anna School of Advanced Studies, em Pisa, na Itália. — Algumas soluções estão disponíveis e, de fato, estão sendo usadas, mas muito mais poderá ser feito para o futuro.

Nos últimos anos, o desenvolvimento de robôs hospitalares focou no contato direto com o paciente, como braços robóticos para a realização de cirurgias. Muitos hospitais, inclusive no Brasil, já têm robôs cirurgiões, mas eles são de pouca valia na crise atual.

Pela facilidade de contágio, o volume de pacientes ultrapassa a capacidade dos hospitais, e os profissionais de saúde precisam lidar com o risco de contaminação e o excesso de trabalho. Apenas na Itália, mais de uma centena de médicos e enfermeiros já morreram de Covid-19, a doença provocada pelo vírus. Por isso, hospitais estão adaptando robôs para esse trabalho durante a crise.

Na China, a Ubtech está testando seus robôs corporativos — Cruzr e Aimbot — no Third People’s Hospital, em Shenzhen. Desenvolvido originalmente como um robô de monitoramento de ambientes, o Aimbot ganhou sensores para medir temperatura corporal e detectar uso de máscaras em grupos de até 15 pessoas, alertando quando alguém com febre não está vestindo equipamentos de proteção. Também foi equipado com desinfetantes para esterilização

COM QUASE 20 MIL ÓBITOS EUA ULTRAPASSA ITÁLIA E SE TORNA O PAIS COM MAIS MORTES CAUSADAS PELO COVID-19 NO MUNDO.

Embaixadas da Itália e Alemanha pedem para cidadãos deixarem o Brasil