Sem licitação há quase 3 anos, cresce lista de espera por cadeiras de rodas, órteses e próteses no RN

O ano era 2014, quando Dario Gomes entrou com requerimento no CRI (Centro de Reabilitação Infantil e Adulto) para receber uma cadeira de rodas. O aposentado de 45 anos, morador do bairro Bom Pastor, em Natal, até hoje espera pelo equipamento.

“Eu uso a mesma cadeira de rodas, do tipo esportiva, desde 2013. A que eu espero do CRI é feita sob medida, o que me dará mais conforto e qualidade de vida, mas infelizmente já são mais de 6 anos numa lista de espera que praticamente não anda”, diz Dario.

O vereador de Natal, Tércio Tinoco, acompanha o assunto de perto desde que era presidente da Sadef, associação que oferece esportes a pessoas com deficiência. Atualmente, ele preside a Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência e Mobilidade Reduzida da Câmara.

Tércio lamenta que há 2 anos e 7 meses não é feita licitação, por parte do Estado, para compra de cadeira de rodas, órteses e próteses para o CRI. A última, ainda no governo anterior, contemplou apenas órteses e próteses. O vereador estima que pelo menos 2 mil potiguares estão na lista de espera.

“Imagine uma criança com 10 anos que vai receber a cadeira de rodas do Estado aos 16. Essa cadeira não vai servir mais. É um atraso que impacta diretamente na qualidade de vida das pessoas com deficiência”, diz Tércio.

Órteses são dispositivos permanentes ou transitórios que auxiliam a função de um membro com algum tipo de deficiência. Como, por exemplo, bengalas, muletas, coletes cervicais, andadores, entre outros. Já as próteses substituem total ou parcialmente algum membro, de maneira permanente ou transitória.

Paraplégico, depois de ter sido atingido por um tiro durante um assalto em 2005, Dario reforça que uma cadeira de rodas tem uma vida útil de cerca de 2 anos, dependendo do uso. “No meu caso, que sou paratleta, viajo para competições e ando muito em Natal para os treinos, o desgaste é maior. A cadeira é montada e desmontada várias vezes até num mesmo dia. Com pouco tempo, já precisamos fazer reformas e manutenções, já que o custo de uma nova é alto”, explica.