O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, conversa com senadores durante sessão plenária para a votação do projeto de lei de conversão da medida provisória (MP 893/2019) que transfere o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) do Ministério da Economia para o Banco Central


O Senado aprovou, nesta segunda-feira (30), o pagamento do auxílio emergencial – por três meses – aos trabalhadores autônomos, informais e sem renda fixa. O coronavoucher, como é chamado desde a votação na Câmara dos Deputados, tem valos estipulado de R$ 600. Em aprovação unânime, o projeto passou com 79 votos favoráveis e apoio dos senadores da oposição e do governo.

O senador Chico Rodrigues (DEM-RR) destacou que o projeto é um consenso entre Congresso Nacional e governo federal. Já o líder do governo na Casa, Fernando Bezerra (MDB-PE), afirmou que mais de 30 milhões de brasileiros serão beneficiados com essa medida.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) disse que, graças a um ajuste de redação, o benefício também contemplará inscritos no Cadastro Único após o dia 20 de março. Em seguida, o líder da oposição afirmou que esse não é o momento de priorizar as finanças do Estado.

“Não cabe se pensar em gasto público. Esse é um momento emergencial, que temos que atender as necessidades das pessoas”.

Presidente da Câmara do Deputados, Rodrigo Maia comemorou a vitória do Congresso. “Falta apenas a sanção do presidente que acreditamos que não demorará”.