in

Vereadores e prefeito discutem medidas de apoio à classe produtiva de Natal (RN)



Os vereadores Tercio Tinoco (PP), Felipe Alves (PDT) e Kleber Fernandes (PSDB) se reuniram, na tarde desta terça-feira (23), com o Prefeito de Natal (RN), Álvaro Dias, para apresentar algumas reivindicações feitas pelo setor produtivo da capital potiguar. A iniciativa se deu pelo fato da preocupação com a manutenção dos empregos e empreendimentos da cidade que estão sendo duramente afetados com a adoção das medidas restritivas para frear o avanço da pandemia do novo Coronavírus.

As propostas apresentadas pelo grupo de parlamentares, que conta ainda com a participação dos vereadores Raniere Barbosa (Avantte) e Milklei Leite (PV), foram frutos de uma reunião ocorrida na última sexta-feira (19), onde representantes da CDL e da Fecomercio encaminharam as sugestões dos empresários para amenizar os impactos que a pandemia, e o consequente fechamento de vários setores, ocasionou na economia da capital potiguar. Na ocasião, os vereadores se comprometeram a encaminhar esses pleitos junto ao executivo.

“Não se trata de um projeto de A, B ou C. Estamos aqui para sermos ponte entre a classe produtiva e o poder executivo municipal. Sabemos que essas sugestões são endossadas por boa parte dos vereadores de Natal. O momento pede essa soma de esforços”, afirmou Tercio Tinoco. O vereador Felipe Alves também saiu satisfeito do encontro e acredita que em breve a Prefeitura vai anunciar medidas positivas: “O prefeito Álvaro Dias foi bastante solicito e sabe da importância da adoção de iniciativas de apoio ao setor econômico de Natal. Na primeira onda da doença, ele mostrou seu compromisso com os diversos setores e agora não será diferente. A nossa expectativa é de que a gestão vai anunciar um pacote de auxílio para socorrer a nossa economia e preservar os empregos”, asseverou.

Por Robson pires

Governadora apoia Carta de Secretários do NE que pede volta do auxílio de R$ 600 para famílias em situação de vulnerabilidade

Coronavírus: Chefes de UTIs ligam ‘kit Covid’ a maior risco de morte no Brasil