Wesley Safadão, a esposa Thyane Dantas e mais cinco são indiciados pela Polícia Civil por vacinação irregular contra a Covid.



O cantor Wesley Safadão, a mulher dele, Thyane Dantas, e mais cinco pessoas foram indiciadas pelo crime de peculato pela vacinação irregular contra a Covid-19 do casal e da assessora do artista.

A imunização fora de local e data, em Fortaleza (CE), é alvo de inquérito policial da Delegacia de Combate a Corrupção.

O grupo ainda foi indiciado “por infração a determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa, cujas penas somadas podem chegar a treze anos de prisão”, de acordo com a Secretaria Estadual da Segurança Pública.

A investigação, que durou dois meses e ouviu um total de 19 pessoas, foi finalizada pela Polícia Civil do Ceará, nesta quarta-feira, 29. Inquérito já foi enviado ao Poder Judiciário para apreciação.

Entenda o caso

Três funcionários foram apontados como responsáveis por irregularidade na vacinação contra a Covid-19 do cantor Wesley Safadão e da esposa Thyane Dantas, no dia 8 de julho de 2021.

A apuração foi encerrada no último dia 6 pela Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza (SMS).

Thyane foi vacinada no dia 8 de julho, data na qual deveriam ser imunizadas pessoas com 32 anos ou mais, o que não é o caso da esposa do artista, que possui 30 anos.

A situação ocorreu em um shopping da capital cearense e a justiça apontou que Dantas não possuía agendamento para participar do ciclo vacinal, operação exigida no município.

Wesley e a produtora Sabrina Tavares também receberam a vacina no dia, mas estavam na lista de agendamentos de um dos postos e se deslocaram para outro.

As autoridades querem entender se os dois agiram no intuito de escolher o imunizante.

O resultado da apuração foi divulgado no Diário Oficial do Município (DOM) Nº 17.137.

Segundo o texto, foi constatado que houve irregularidade funcional por parte de três funcionários, sendo uma servidora pública e dois terceirizados.

A funcionária terá um Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) instaurado. Os terceirizados foram devolvidos para a empresa contratante.

Em nota, a Secretaria apontou que a investigação foi encaminhada aos órgãos ministeriais e policiais para “a apuração de possíveis práticas em desacordo com o Código Penal Brasileiro”.

Band